terça-feira, 22 de maio de 2018

Pela primeira vez a bolsa de Nova Iorque vai ter uma mulher na presidência

Observador - Portugal

Stacey Cunningham torna-se, esta sexta-feira, a primeira mulher a assumir a presidência da Bolsa de Valores de Nova Iorque.

Há 50 anos Muriel Siebert foi a primeira mulher a ter um lugar na bolsa de valores de Nova Iorque. Na próxima sexta-feira, a maior bolsa de mercados do mundo vai abrir um capítulo inédito nos seus 226 anos de história: a cadeira da presidência vai ser ocupada por uma mulher.

A protagonista é Stacey Cunningham, licenciada em engenharia industrial, na Universidade de Lehigh, na Pensilvânia. A empresária vai ocupar o cargo que pertence a Thomas Farley desde 2014, avançou esta terça-feira a instituição.

Cunningham, 43 anos, começou como estagiária na bolsa nova-iorquina no verão de 1994, quando ainda estava na faculdade, tendo passado a trabalhar na instituição dois anos depois. Já na altura, lembra a empresária ao The Wall Street Journal, havia diferenças que não passavam despercebidas: a casa de banho das mulheres, por exemplo, era no sétimo piso, dentro de uma velha cabine telefónica. Os mais de mil homens a trabalhar na New York Stock Exchange (NYSE), pelo contrário, tinham um espaço amplo, com sofás e uma assistente própria.

Entre 1996 e 2005, Stacey Cunningham trabalhou como especialista no Bank of America tendo dois anos depois ingressado na bolsa tecnológica de Nasdaq como diretora de Mercados de Capitais. Em 2012 a engenheira voltou à bolsa de Nova Iorque para assumir o cargo de diretora de operações, que será ocupado por John Tuttle, de acordo com o Business Insider.

Cunningham vai tornar-se na 67.ª presidente na história da instituição. A sua nomeação chega um ano e meio depois de Aden Friedman se ter tornado na primeira CEO da bolsa de Nasdaq, o que significa que duas das bolsas mais importantes do mundo vão ser geridas por mulheres.

A Bolsa de Valores de Nova Iorque, com sede em Wall Street, foi criada em 1972 e faz parte da Intercontinental Exchange, uma empresa americana. Entre 2002 e 2008 a instituição já teve uma mulher no cargo de presidente, Catherine Kinney, mas tratou-se de uma presidência em conjunto com um executivo. Stacey Cunningham é a primeira mulher a estar sozinha ao leme da NYSE.


Maduro é reeleito presidente da Venezuela

DW

Presidente garante mandato por mais seis anos, em eleição com abstenção recorde, denúncias de fraude e que teve sua legitimidade questionada não só pela oposição, que boicotou, como pela comunidade internacional.

O presidente Nicolás Maduro foi eleito neste domingo (21/05) para mais seis anos de mandato na Venezuela, numa eleição com abstenção recorde, denúncias de fraude e que teve sua legitimidade questionada não só pela oposição, que boicotou o pleito, como por Estados Unidos, União Europeia e potências regionais.

Os dados oficiais colocam a participação eleitoral em 46%, mas fontes do governo citadas por agências de notícias garantem que a cifra não superou os 33%. Como comparação, 80% dos eleitores venezuelanos foram às urnas em 2013.

Maduro venceu com 68% dos votos, mas praticamente não teve adversários. Principal força antichavista,  a Frente Ampla Venezuela Livre, idealizada pela coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD), boicotou o pleito. E o único adversário de Maduro a participar, o dissidente chavista Henri Falcón, recebeu 21% dos votos.

Após a divulgação do resultado, Maduro apareceu no Palácio Miraflores, sede do governo, e falou numa "vitória popular permanente" do chavismo, ressaltando ter recebido 6 milhões de votos, contra pouco mais de 1 milhão de Falcón. Pela manhã, ao comparecer a sua seção eleitoral, havia dito: "Voto ou bala".

No centro da campanha eleitoral esteve a crise política, econômica e social que afeta o país, com todos os candidatos, inclusive o presidente Nicolás Maduro prometendo melhorar a economia. A campanha e a eleição transcorreram em meio a um clima tenso, e milhares de militares foram destacados para vigiar os mais de 14 mil centros eleitorais.
União Europeia, EUA, Canadá e inúmeros países vizinhos, entre eles o Brasil, pediram a suspensão das eleições por considerarem que não haveria condições para a realização de uma votação livre na Venezuela. Os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e da Colômbia, Juan Manuel Santos, declararam que não reconheceriam o vencedor.

Denúncias de fraude
Políticos da oposição denunciaram a instalação dos chamados "pontos vermelhos", mecanismo usado pelo governo para controlar os votos da população. Os candidatos Henri Falcón e Javier Bertucci disseram ter recebido cerca de 350 denúncias de irregularidades ligadas a eles.
Os pontos vermelhos são tendas instaladas pelo governo durante as eleições muito perto das seções eleitorais. Simpatizantes dão orientações aos eleitores sobre como votar nos candidatos do chavismo.

De acordo com Bertucci, o governo tinha firmado um acordo para montar esses pontos vermelhos a 200 metros dos colégios eleitorais, mas muitos deles foram registrados a distâncias menores ou mesmo dentro dos locais de votação.

Segundo os políticos, os venezuelanos estão sendo coagidos a ir às urnas para votar em Maduro em troca de recompensas. Críticos alegam ainda que o governo estaria assustando a população fazendo-a acreditar que quem não votar poderá ficar sem as rações de comida.

A imprensa relatou que muitas dessas tendas acumularam filas de eleitores neste domingo. Ali, eles apresentavam aos voluntários seu chamado "cartão da pátria" – por meio do qual recebem os benefícios do governo, como alimentação –, na esperança de receber um bônus em dinheiro por ter votado.

A presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena, desqualificou as denúncias da oposição neste domingo, afirmando que não são "nada" em comparação com outros processos de votação.

Condenação internacional
Vários países – incluindo União Europeia, EUA, Canadá e inúmeros Estados vizinhos, entre eles o Brasil – haviam pedido a suspensão das eleições por considerarem que não há condições para a realização de uma votação livre na Venezuela.

Os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e da Colômbia, Juan Manuel Santos, declararam que não reconhecerão o vencedor. O mesmo foi reafirmado neste domingo pelo governo americano.

O vice-secretário de Estado, John Sullivan, disse inclusive que os EUA estão considerando impor sanções ao petróleo da Venezuela. Segundo ele, uma resposta às eleições deste domingo será discutida na reunião do G20 em Buenos Aires na segunda-feira.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, por sua vez, classificou a votação de "fraudulenta" e disse que ela "não mudará nada" no cenário do país latino-americano.

"Estou observando hoje [o que acontece na] Venezuela. As fraudulentas eleições não mudam nada. É preciso que o povo venezuelano comande este país... Uma nação com tanto a oferecer ao mundo", escreveu ele no Twitter.

Deutsche-Welle